Marcelo Bizar
Se aquele isto é como este, hei de ser histo ou comum peste
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O jogo de gude
     
     O mundo nas mãos, a bola de gude.
     O olhar ameaçador desempenha um fato que não se repetirá.
     O suor escorrendo na testa, os cabelos retos, parados, não há movimento.
     Onde pode faz acrobacia das pernas, tamanha que as cãibras teimam nos joelhos, nos cotovelos, na nuca.
     Olho fechado só o esquerdo e na boca uma secura que não é só a saliva, a sede, a nervura é também.
     O olho direito arreganhado o mais que pode, quer o foco com o olho direito, sua visão da sorte procurando em algum ponto do espaço, entre o triângulo desenhado no chão, o conjunto de bolas brilhantes e os ventos soprantes: a perfeita medida, o melhor ângulo, a força precisa e desenha tudo na memória, um filme.
     Os ombros na primeira cena titubeiam. Tenta outra sorte. Pede favor ao seu orixá criança. Diz que será melhor na escola, diz que lavará o quintal pra mãe, promete muito mesmo. Será um filho perfeito e tudo isso, caso não consiga, tentará ao menos, com muito de seu esforço.
     Os dedos coçam a mão molhada e se faz uma previsão como que um sinal espiritual lhe sorrisse: ritualística metafísica que o levanta de ser um alguém qualquer, sempre pensa isso na hora do jogo.
     O prumo volta, então se mantém, e então se arruma mais decidido.
     O movimento que ensaia agora é lento como o de um quase-triunfo
desfrutado. Não tem pressa agora, é como os astros envoltos no silêncio da matéria negra.
     O sopro do vento é inspecionado pois precisa saber como eles correm.
     O joelho é dobrado, agacha-se. Sendo que o joelho direito fica um pouco mais baixo da dobradura do seu esquerdo.
     O chão é tocado levemente e a terra, e pequeninas pedras, o fazem sentir uma certa dor que não importa agora.
     O curvar dos seu dedos assim: do melhor jeito aprendido, o que sabe e sempre usou.
     O dedo quase tocando a dianteira do nariz. A búlica aprisionada. Levanta a mão pra dar impulso e finalmente arremessa seu mundo de gude em busca de uma vitória na infância.

Marcelo Bizar

*A crônica O Jogo de gude foi publicada na Revista Sarau Subúrbio em sua 2ª edição.
Marcelo Bizar
Enviado por Marcelo Bizar em 20/08/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários